terça-feira, 28 de maio de 2013

Aos senhores do Barclaycard




Eu não estou interessada no vosso cartão de crédito. Não me interessa que não se pague nada, que me ofereçam uma torradeira, ou uma máquina de café, EU NÃO QUERO. Agradeço que não me telefonem mais, muito menos para me chamarem mal educada por recusar ouvir (again!) a vossa proposta. Peço que não me incomodem quando passo pela vossa banca no shopping, e que tão pouco façam chantagem emocional comigo dizendo-me que sou uma insensível, que bastava dar os meus dados para que o promotor ganhasse a sua comissão, que tem filhos para criar e, se toda a gente fosse como eu, eles morriam à fome! (true story!). E sobretudo livrem-se de me voltar a abordar na porta de embarque junto à manga do avião, com o cartão de identificação da ANA e com a desculpa de um inquérito sobre compra de passagens online! 
Não quero o vosso crédito fácil, acho inclusive que este tipo de abordagem agressiva deveria ser proibida. Se os portugueses viveram durante anos acima das suas possibilidades a culpa é exclusivamente de instituições como a vossa que promete facilidades e lhes dão a ilusão de uma folga financeira que não têm.

Muito agradecida.



7 comentários:

Filomena Crochet disse...

Cara senhora,
concordo consigo em grau, género e número!!!!!!!

é aterrador a maneira como eles agem...
Ontem eram 22 horas ( isso mesmo noite escura) e estavam cá para fazer pesquisa sobre a PT...o meu marido despachou-os dizendo não serem horas.......
e os dos cartões quando ligam, digo que não compro nada dos americanos....
tem surtido efeito...

abraços de MF

Ana ✈ disse...

Subscrevo! Que PRAGA! E quem diz Barclays diz ZON e tantos outros serviços que nos tentam impingir a' forca toda. Ja nao basta ter que andar a fugir nos shoppings agora andam porta a porta... Ja estive mais longe de colar um piones na campainha!

Sílvia disse...

Já me aconteceu, precisamente com esses! Engraçado que é sempre com os mesmos!

Ao fim da 1000ª chamada, ao longo de meses (talvez anos, já nem sei!!), em acto de desespero eu disse para a moça mais ou menos isto: "Eu sei que você está a fazer o seu trabalho, mas pelo amor de Deus, podem eliminar o meu número dos vosso contactos, sei lá, colocá-lo numa lista negra, qualquer coisa?! É que se me voltam a ligar eu faço queixa à DECO, à polícia, a alguém...". A rapariga fez algo, disse que já estava resolvido e o que é certo é que NUNCA mais me ligaram!! Aleluia!

Sílvia disse...

Cheguei a usar de argumentos como:
"Mas eu nunca tive aí conta e não quero ter."
"Mas eu não tenho dinheiro para ter aí conta ou ter um cartão de crédito, eu não trabalho."
Nada resultou (eles não se importam que as pessoas não tenham dinheiro!), a não ser a lista negra e a DECO!!!!!!

Sílvia disse...

Ana, os da Zon ou Meo e cenas assim são fáceis de despachar: "Ah, que pena, acabei de assinar, aí há um mês, um contrato com o X (deve dizer o concorrente do que estiver a ligar)... paciência! Volte a ligar-me daqui a 2 anos (tempo do contrato)!"

;) Fica a dica!!

Quel* disse...

Conseguem ser tão, mas tão chatos. Ligam vezes sem conta, e depois estão nos centros comerciais todos tipo carraças atrás de nós. Já dei algumas respostas atravessadas a alguns colaboradores. Eles estão a fazer o trabalho deles, é certo, mas a paciência tem limites.

bruce wayne disse...

Boa tarde. Sou um comercial barclaycard. Sim,trabalho nos stands dos shoppings. Sim, insisto, persigo, incomodo, etc. Compreendo tudo o que voces dizem, mas as vezes pergunto-me se voces sequer se perguntam o que é estar do outro lado. Tenho licenciatura e conservatorio, piano, completo. Nao arranjei emprego em mais nada para alem deste. O meu dia a dia consiste em abordar estranhos diariamente. Ja gritaram comigo, culparam-me pelas dividas, ameaçaram-me de porrada e deve ser na boa ridicularizar o meu emprego. Mas tambem ja conheci pessoas impecaveis, ja tive dezenas de ofertas de emprego e conheci, numa abordagem, a miuda com que ando. Se detestava este emprego, hoje adoro-o. Nada me deu mais lata, paleio e resiliência social que tal. E tambem nada me deu tao boas renumeraçoes. O marketing barclaycard é desenhado para o publico britanico, um publico em que se dissermos "sir, do you have a minute" ouvimos "sure". Claro que com o povo portugues isso jamais seria impossivel. Se nao estao interessados, digam simplesmente, e sorriam, olhem para nós. Nao vos desejamos mal. Ou dêem uma opurtunidade de ouvir. O que fazemos sao apenas propostas de adesao,ninguem se compromete com nada, e ganha ainda uma maquina fotografica ou de cafe ou 50e - sem compromissos. Para mim ate vos digo que prefiro que a pessoa faça so pela oferta e nao por interesse no cartao, ja que nem sinto grande afinidade pelo mesmo. O dificil para mim é saber porque nao o fazem.. ate eu fiz para ganhar os 50e de brinde, e nunca mais quis saber do cartao e nao tive problemas. Sera assim tao maquiavelico este nosso emprego?