quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Vinde para o Minho, vinde que sois bem vindos!




Peneda-Gerês está no TOP 10 dos lugares mais valiosos do mundo











Notícia completa aqui.

P.S. E a comidinha?? Ui, ui!...

Parabéns Querida MisS

Faz hoje alguns anos regressaste a nós, (embora eu seja "a Memória" não sei quantos são os anos pois é uma época que não gosto de lembrar). Foram tempos de apreensão e medo mas felizmente um anjo apareceu em tua vida e trouxe-te de volta, e ainda bem que assim foi porque eu gosto muito de te ter por cá, és a única que me dá alguma luta no meu já conhecido sarcasmo e humor negro e também nos nossos embates, se bem que agora com a sabedoria que a idade no traz nossos embates sejam bem menos, és a pequena mais brava que conheço mas ao mesmo tempo quando te toca a ti e aos teus tens o coração mole e fraquejas mas sempre defendes os teus!
Querida MisS a nossa vida não seria a mesma sem ti ( a minha sei que não), por isso feliz aniversário do teu regresso!! 
We love you my dear bitch!!!



Analisando bem, acho uma bela ironia do destino que o teu regresso se comemore no dia das bruxas....

agora que já sabes que nunca serás bem sucedida bem que podias tirar o dia de folga...



5 coisas que pessoas super bem-sucedidas fazem antes das 8h da manhã


1.  Exercite-se. 
2. Organize seu dia.
3. Tome um pequeno almoço saudável. 
4. Visualize e medite. .
5. Faça o trabalho pesado primeiro. 


... é que nem depois das 8...


quarta-feira, 30 de outubro de 2013

eu confesso que os prefiro na salada, com flor de sal e um bom vinagrete...




e o pior? o pior é que ainda o vamos ver a candidato a PR...


Sob o pretexto da publicação da sua tese, aquela que fez enquanto esteve exilado em Paris a estudar filosofia, José Sócrates deu uma entrevista ao Expresso, publicada no passado dia 19. Para todos os que não tiveram oportunidade de ler, o semanário disponibilizou agora, em versão online, a entrevista na íntegra. Um importante documento para memória futura...



Previno desde já, os meus amigos que, a leitura desta entrevista pode causar efeitos secundários como vómitos, tonturas, acessos de raiva, ou, para aqueles que apreciam o humor negro, ataques incontroláveis de riso. Eu demorei três dias a ler a entrevista, não por ser demasiado extensa, que o é, mas, porque o meu aparelho digestivo tem muitas limitações no que concerne ao processamento de porcarias. Tive de parar várias vezes tal era o meu estado de náusea. Ao logo de todas aquelas linhas é bem visível a falta de consideração que este senhor tem pela inteligência dos portugueses. É ainda claro o narcisismo patológico que este ser sofre assim como a sua fé inabalável na impunidade.
Gosto particularmente da estória que ele conta sobre ter pedido 120 mil euros ao banco para viver um ano à grande e à francesa em Paris. Diz ele que "foi feliz" por lá,  que "nem sabia que existiam vidas assim, vidas tão boas. Nunca tinha tido uma vida dessas.” É delicioso saber que no ano em que os bancos nacionais tiveram de sofrer injecções de capitais públicos para não falirem, no ano em que muitas empresas viáveis fecharam por falta de liquidez e crédito junto dos bancos, que muitas famílias perderam a sua casa por intransigência das instituições bancárias, estas aprovavam empréstimos a cidadãos desempregados para estourar em grandes vidas na cidade luz! Por outro lado, esta gestão socraniana, explica muito sobre o estado em que ele deixou o país: gastar dinheiro que não tem para sustentar uma vida que não pode pagar. A diferença aqui é que o país não tem reservas em offshore, para mal dos contribuintes portugueses....

Enjoem, aqui.!
  

Sobre aquela história do ex ministro da cultura e da senhora que tinha conversas eruditas na televisão com o maestro Vitorino D'Almeida...





... eu sei que fica bem julgar os meios de comunicação social pelo lixo que têm trazido a público. A discussão não é nova, os argumentos têm barbas. Capas e capas de notícias degradantes da imagem de um pseudo vip e de repente os meios de comunicação social são os principais culpados pela baixa aculturação do país. Não é bonito e, afinal, não contribui para a felicidade de ninguém saber se foi ela que lhe bateu, se foi ele que a agrediu ou quem é que bebia o bagaço que o pai trazia da aldeia. Mas, os media apenas servem o que lhes dão, a falta de postura está, antes de mais do lado de quem oferece a informação. É como acenar com sangue fresco a um bando de tubarões! 

(Ponto de ordem à mesa:  eu não estou a defender o Correio da Manhã!) 

Tenho um amigo pseudo vip, que já namorou/ casou/ engravidou/ separou/ juntou/ engravidou/ quase separou outras figuras conhecidas da nossa praça. Tenho conhecimento de histórias que fariam o deleite de algumas publicações, podia até ganhar alguns euros com essas histórias mas, nunca, jamais me passou pela cabeça contar a quem quer que fosse, muito menos à comunicação social. Primeiro por consideração ao meu amigo, a quem estimo, mas também, e muito, por respeito às pessoas envolvidas, mesmo que, no caso nem conheça algumas delas pessoalmente. Não faz parte da minha educação, da minha forma de ser e estar na vida. Não me deslumbro com um gravador ou uma câmara, dispenso os meus 15 minutos de fama, não procuro holofotes nem protagonismo pelo contrário, estimo muito a liberdade que o anonimato me dá. Não sei quem são as supostas fontes da imprensa mas, não me admiraria que fossem os próprios visados. E, quem diz o que quer, ouve o que não gosta, sempre ouvi dizer...
Uma das primeiras lições que o meu pai me ensinou, no mundo dos negócios, foi a de que não há almoços grátis, tudo tem o seu custo. Importa que os vip's e pseudo vip's deste país entendam de uma vez por todas: a fama tem um preço, e este é muito alto! Se usam os media para fazer campanha, promover o novo programa, vender a  imagem ou os livros que publicam, virá o dia em os media vão usar o vosso nome para vender jornais e revistas. É a chamada lei da compensação! E neste caso normalmente vem com juros bem altos... 


terça-feira, 29 de outubro de 2013

Sporting Comédia de Portugal *


Sempre me divertiram os lagartos. Acho-os cómicos, gosto daquela imagem de viscondes falidos, de monarcas numa república. Aprecio a sua figura, sempre altiva, mesmo quando ficam em sétimo lugar. Como diria o ex PM são uns gajos porreiros, pá! Admito que a Liga sem um sportem ficaria bem mais monótona, por isso, aquando da iminência do seu desaparecimento, eu fui das que contribui para o peditório "vamos salvar os lagartos da extinção". 
Com a eleição do presidente candidato a Vale e Azevedo verde, o sportem continua cómico, afinal este era o gajo que pretendia erradicar um passivo de 300 milhões de euros a poupar em fotocópias!, mas não é tão refinado. É um humor mais populucho, brejeiro até, quase a rivalizar com o duo Ele&Ela.
Na semana do jogo com o Campeão Nacional, tentaram os aprendizes a dirigentes do sportem, criar um ambiente hostil. Acontece que este leão não assusta nem aqui nem na Conchinchina e, nenhum adepto do FCP gastou um sopro que fosse a assobiar o candidato a Vale e Azevedo verde. Este entrou de peito cheio e gravata berrante, e saiu com o peso da sua insignificância X o desprezo de um estádio + três golos para o caminho - três pontos = segundo lugar a cinco pontos do líder! (bem acima do seu lugar natural, diga-se...)
Qualquer argumentista acharia este o final perfeito para esta história, mas os lagartos ousam sempre mais e, na tentativa de nos oferecer uma semana mais colorida, neste feio mês de Outubro, emitiram um comunicado que leva qualquer um às lágrimas de tão cómico! Repudiam os aprendizes a dirigentes a violência sobre os adeptos do sportem. Aqueles mesmos adeptos que espalharam o pânico nas imediações do estádio, que agrediram pessoas e destruíram o que lhes apareceu à frente, os mesmos que forçaram a entrada no estádio sem bilhete, e, para cúmulo dos cúmulos nas portas de entrada das claques do FCP. Os mesmos adeptos que, uma vez auto encurralados, foram identificados pela polícia e, segundo esta, têm ligações a grupos simpatizantes da extrema direita! Os adeptos que qualquer direcção séria, de um clube a sério, trataria logo de se descolar, condenando publicamente este tipo de comportamento. Mas, no mundo dos lagartos, povoado apenas por gente distinta da cidade, não! Para a elite da população citadina, condenável é o comportamento dos aldeões do Porto, aqueles que como a história mostra, nunca fugiram à luta e dão em dobro o que recebem, para o bem e para o mal... 
Digam lá se isto não é cómico?


 PS. A comédia continua aqui! Divirtam-se!


* Título escandalosamente roubado desta magnifica página de facebook ( já agora, foto também!)




domingo, 27 de outubro de 2013

awesome people hanging out together...

Ray Charles and Ronald Reagan
Ray Charles & Ronald Reagan
Andy Warhol and Muhammad Ali
Andy Warhol & Muhammad Ali

Lou Reed, Mick Jagger and David Bowie
Lou Reed, Mick Jagger & David Bowie


Michael Caine, Pelé and Sylvester Stallone
Michael Caine, Pelé & Sylvester Stallone

Brian May, Freddie Mercury, Diego Maradona and Roger Taylor 
Brian May, Freddie Mercury, Diego Maradona & Roger Taylor



Al Pacino and Christopher Walken
Al Pacino & Christopher Walken

Bette Midler, David Bowie, Michael Jackson and Cher
Bette Midler, David Bowie, Michael Jackson & Cher


Russell Brand and the Dalai Lama
Russell Brand & the Dalai Lama


Mais aqui.

só para que se conste...


Detesto Outubro...


....e Novembro, e Dezembro, e todos os meses até a hora e o tempo voltarem a mudar.

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

ten shots of happiness...

O beijo da Times Square

The Kiss in Times Square - 1945


A guerra de travesseiros dos Beatles

A guerra de travesseiros dos Beatles - 1964


Explosão de alegria

Explosão de alegria - 1973


O sorriso do bebê gorila

O sorriso do bebé gorila - 1999


michigan

Children follow the Drum Major @ University of Michigan -1950

Jesse Owens contra Hitler

Jesse Owens Vs Hitler 1936


Lartigue Jeanine

The girl on the beach - 1926


O primeiro 10 da história ginástica olímpica

O primeiro 10 da história ginástica olímpica - 1976


Le petit parisien

Le petit parisien - 1952

Marilyn Monroe

Marilyn Monroe na Pacific Coast Highway - 1945



(Esta selecção, feita por várias publicações mundiais, pretendeu encontrar as dez fotografias mais felizes da história. A escolha poderá ser questionável mas, a felicidade que espelham e o sorriso que cada foto nos faz esboçar, esses são inegáveis. A história completa, aqui.)

(P.s. Gosto tanto do Le petit parisien avec une baguette!)

O que eu gosto destes brasucas...


Nada como ler jornais brasileiros para ficarmos a conhecer melhor o nosso país.... 

Músicas que mexem comigo#71

Debussy
Clair de Lune


quinta-feira, 24 de outubro de 2013

better than prozac, cheaper than therapy...



Todas as noites é a mesma coisa. Ela vai dormir acompanhada pelos seus demónios. Os seus fantasmas dançam alegremente sobre a sua cabeça deitada no travesseiro. Repetem, noite após noite a mesma coreografia, indiferentes ao constante virar e revirar dela na fria cama. E, por ali vão pairando, até que o corpo, exausto, cede e se entrega ao sono.
É então que nasce um novo dia, as dúvidas e angústias de ontem ficaram presas nos sonhos da noite que passou. Há uma nova página para escrever. A luz do sol, mesmo que tímido, e escondido pelas nuvens, dá uma nova perspectiva. Respira-se fundo. Há uma esperança renovada. Afinal, a vida é bela...


Sexo sempre a surpreender...

Que o sexo é óptimo e faz bem á pele e a muitas outras coisas eu já sabia, mas hoje fiquei a saber que além se tudo o resto o acto sexual, ou dar uma queca, ou pinar, ou foder, ou dar uma cambalhota (usem a expressão que  preferirem), além de todos os inúmeros benefícios, fazer o amor desentope as vias nasais!!!! 

E não estou constipada, ouvi isto aqui.

Mais vale tarde do que nunca!!!

Ontem o Benfas e os seus 6 milhões de seguidores finalmente viram justificados os 8 milhões que pagaram por Roberto!!!!

Por seu lado Roberto nunca foi tão aplaudido no Estádio da Hemorragia Luz!

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

momento wtf do dia...

image


Depois de uma manhã aos berros com o apoio técnico da Zon (bando de incompetentes! admira como ainda têm clientes!!), decidi que estava na hora de mudar de operadora, só para não me chatear mais. Vai daí ligo para a PT Negócios, atende-me uma menina muito simpática e prestável. Esclarece-me todas as dúvidas. Desligo satisfeita com o atendimento mas não muito contente com o preço - sabiam que a PT tem dois preços dependo da zona onde se habita, e que o preço da zona fora dos grandes centros urbanos duplica? A menina diz-me que é um procedimento legal, aprovado pela Anacom mas, para mim não deixa de ser imoral. A interioridade (e reparem que eu moro em Guimarães!) deveria ser alvo de discriminação positiva, não de penalizações deste tipo. Mais do dobro do preço, minha gente!! Vai daí e só porque não concordo com esta política decidi explorar outras alternativas. Depois de uma consulta rápida pelo site da Optimus, e de ver que os preços e condições são similares à PT, com a diferença de não haver descriminação quanto a zonas, ligo então para o número que aparece no site, e é aqui que esbarro na surrealidade:

menina da Optimus: em que posso ser útil?

euzinha: estive a consultar os vossos tarifários empresariais e gostaria de retirar umas dúvidas.

menina da Optimus: hã. sabe, nós temos uma linha específica para tarifários.

euzinha: mas eu liguei para a linha que aparece, em letras garrafais, no separador tarifários a dizer: Precisa de Ajuda? Nós ajudamos.

menina da Optimus: pois, compreendo. Pode aguardar um momento em linha, por favor?

euzinha: concerteza.

(música All you need is love...)

menina da Optimus: estive a consultar o seu caso e a senhora tem três opções: ir a uma loja optimus, pedir a visita de um agente ao local ou solicitar que a optimus entre em contacto consigo e ligar-lhe-emos dentro de 3 a 5 dias úteis.

euzinha: mas eu só queria tirar uma dúvida, não pode ser tipo já?

menina da optimus: não. terá de ser através de um dos canais propostos. Gostaria de optar já por uma destas 3 soluções?

euzinha: oi???

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Para ti minha querida Amiga de sempre!

Isto hoje esta difícil, por isso vais ser uma rapidinha, mas não podia deixar este dia em branco, hoje a grande Isa faz anos, a Moníssima mãe que tem os dois pimpolhos mais lindos do mundo e sim da blogosfera também, que é a minha amiga de sempre e de todas as horas, que contagia tudo e todos com sua energia e seu sorriso sempre aberto, que chora como gente grande quando se ri muito (e o que eu gosto de a fazer chorar a rir) que é a mulher que eu sei nunca conseguiria ser e por isso a admiro cada dia mais. Poderia escrever um texto sem fim só com elogios mas hoje não dá mesmo, por isso amiga fico por aqui, mas sabe que te adoro até ao infinito e mais além!!!!
Um enorme beijo!!!!

ele é o Hulk, incrível Hulk, super herói de cor azul...




Palpita-me que logo vais marcar... mas sabes que mais, a memória dos 5-0 frente ao benfas, faz com que eu te perdoe tudo, pá! Welcome back incrível Hulk!!!

domingo, 20 de outubro de 2013

sweet googbye...





Ah,
you're just a copy
of all the candy bars
I've ever eaten.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Pérolas de um fim de semana só de gajas!!!

" Maminhas no chão, rabo para cima...." By MM

" Ler e foder são duas coisas que se sempre se faz com prazer!" By RV

" Vamos ligar á S.!!" By Miss Smile

"Vocês têm muita energia!" By Senhor da pastelaria o Careca

"Queres dançar?" By dezenas de gajos no B.leza

" Isto é um processo.." By Mona

"estica a canela" refrão de uma musica

" Vamos á Moda Lx ver as Aves Raras" By Moi même

"Que puto de circo de anormais, só queria vê-los no mundo real a pedir trabalho aos empresários têxteis!!" By Moi même referindo-me ás aves raras vistas na Moda Lx

E muitas mais que me vou abster de contar para não ferir mentes sensíveis e púdicas que nos possam ler.

depois não digam que não sou amiga...



Porque sou uma querida, e porque amo a CGTP de paixão, dei voltas e mais voltas à minha cabeça para tentar arranjar uma solução para a manif que o governo (esses mauzões ditadores!) não autoriza fazer na ponte 25 de Abril:

Eis o fruto do meu esforço:

- Irem a nado. Será a solução mais acessível, sim não será nada agradável ver a Avoila de biquíni ou o Arménio de sunga mas, hei! tudo pelo direito à manifestação!

- Esticar uma corda de uma margem à outra e fazer a travessia em modo equilibrista. Dado o jeito que têm para se equilibrarem nos argumentos bacocos que repetem há anos, ia ser canja...

- Alugarem uns helicópteros e fazer a travessia em grande. Pagar? Isso é para lorpas. Troika para a rua. Não pagamos!

- Construir uma ponte, usar a força de trabalho que tanto os caracteriza. Claro que há sempre o perigo de os trabalhadores fazerem greve...

- Tentar uma de Moisés e separar as águas do Tejo. Arranjem um cajado ao Arménio!

- Requisitar os submarinos do Paulo Portas. Imergindo....

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Olha bem à tua volta e aceita as lições que a vida te dá...




Os meus avós viveram de costas voltadas por mais de 40 anos. Partilhavam a mesma casa, a mesma mesa, mas não trocavam uma palavra. Para mim, que cheguei a este jogo muito depois do seu início, a minha avó era a má da fita, para todos os outros era o meu avô, o que fazia com que todos estivessem contra ele. Não havia Suiça nesta família, quem estivesse com o meu avô estava contra a minha avó. O meu avô era um homem controverso no seio da minha família. Todos os respeitavam por obrigação mas, poucos o admiravam ou acarinhavam. Com os meus avós moraram dois netos, até à idade adulta. Nenhum deles mostrava o orgulho que o meu avô merecia, pelo contrário era notória até alguma vergonha e desprezo do homem simples, profundamente católico e nada materialista. Do homem que preferia gastar o seu dinheiro a patrocinar missões humanitárias, a contribuir para obras de caridade, a pagar a formação a missionários ou a oferecer infraestruturas à freguesia, ao invés de se rodear do luxo a que nunca se acostumou.
Acontece que, depois de o meu avô ter falecido, a neta que toda a vida viveu com ele e o destratou, achou por bem dar o nome do avô ao seu filho. A pessoa em questão é uma má pessoa, fraca, feia por dentro e por fora mas, acredito que, na sua forma retorcida de ser e à sua maneira, gostasse do avô. Acredito até que, para ela, esta singela homenagem apague 30 anos de desprezo. Mas, a verdade, é que é tarde demais.

Em todas as relações, sejam elas entre familiares, amigos ou amantes, o que importa é cuidar em tempo útil. Tratar, dizer e mostrar que se gosta enquanto se tem. Não é a quantidade de flores que oferecemos no funeral que diz o quanto gostamos de uma pessoa, nem as palavras bonitas que lhe dedicamos depois de elas terem saído da nossa vida. O importante não é mostrar aos outros o quanto gostamos de quem gostamos, mas fazer com que as nossas pessoas se sintam gostadas, enquanto estão ao nosso lado. E é aqui que a maioria de nós falha.

Hoje, pára dois minutos, olha para o teu lado e diz um gosto de ti sentido, antes que seja tarde demais...


terça-feira, 15 de outubro de 2013

Top 3 da Moda LX, seleccionado in loco pelas monissimas...


O Executivo africano

O nem sei por onde comece...

RAV_Moda_Lisboa3dia-9.jpg
O Gang 

hoje é dia santo...

Apesar do dedo podre para mulheres, do duvidoso gosto no vestir ou do fraco olho para os negócios, este blog é e sempre será um blog pró Baia! E porque hoje é o seu dia, aqui vai uma beijoca repenicada das monissimas para o melhor guarda redes de todos os tempos!




Parabéns Baía!


(Ai! que eu gostava tanto de te dar uma prendinha...)

domingo, 13 de outubro de 2013

Painting & Poetry XXIV

Salvador Dali, Three Sphinxes of Bikini
Salvador Dali

&




Segue o teu destino,

Rega as tuas plantas,
Ama as tuas rosas.
O resto é a sombra
De árvores alheias.

A realidade

Sempre é mais ou menos

Do que nós queremos.
Só nós somos sempre
Iguais a nós-próprios.

Suave é viver só.
Grande e nobre é sempre
Viver simplesmente.
Deixa a dor nas aras
Como ex-voto aos deuses.

Vê de longe a vida.
Nunca a interrogues.
Ela nada pode
Dizer-te. A resposta
Está além dos deuses.

Mas serenamente
Imita o Olimpo
No teu coração.
Os deuses são deuses
Porque não se pensam.



Ricardo Reis

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

the blessing of loosing...




“Benjamin, we’re meant to lose the people we love. How else 

would we know how important they are to us?” 


The Curious Case of Benjamin Button

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

E de repente em tempos de merda e de decepções com a humanidade surge alguém que me devolve a fé nas pessoas

Numa entrevista ontem a jovem Malala Yousafzai que é apontada como uma forte candidata a receber o Nobel da Paz (e muito merecido digo eu) deixou o apresentador Jon Stewart completamente atónito e sem palavras, a mim confesso que me atingiu forte e não nego deixou-me com um nó na garganta.

Quando Jon Stewart lhe perguntou qual foi a reacção dela ao saber que os Talibans a queriam morta ela simplesmente respondeu da seguinte forma.

I started thinking about that, and I used to think that the Talib would come, and he would just kill me. But then I said, 'If he comes, what would you do Malala?' then I would reply to myself, 'Malala, just take a shoe and hit him.'  But then I said, 'If you hit a Talib with your shoe, then there would be no difference between you and the Talib. You must not treat others with cruelty and that much harshly, you must fight others but through peace and through dialogue and through education.' Then I said I will tell him how important education is and that 'I even want education for your children as well.' And I will tell him, 'That's what I want to tell you, now do what you want.'

Poder ver aqui




primeira reacção ao Nobel da Literatura...



não conheço Alice Munro...





bad news for Humanity... (ou talvez só para mim...)


quarta-feira, 9 de outubro de 2013

ahahahah, parece anedota mas, é mesmo um artigo de opinião num jornal angolano...



Portugal está no centro de uma grave crise social e económica sem fim à vista. O Estado Social que nasceu com a Revolução de Abril tem sido friamente destruído pelas elites reinantes. Os fundos de coesão da CEE foram desbaratados por cleptocratas insaciáveis que à sombra de partidos democráticos se comportaram como vulgares ladrões sem sequer se disfarçarem com colarinhos brancos.
e continua... Aqui
Note-se: isto são angolanos a falar de Portugal... Angolanos... a falar de Portugal... Cleptocratas insaciáveis.. quem é mesmo a mulher mais rica de África quem é???

terça-feira, 8 de outubro de 2013

sabes que estás a precisar de férias...



quando consegues o prodígio de bloquear o acesso net banking de três contas diferentes, num espaço de minutos...

(ou isso ou tenho um alemão chamado Alzheimer a fod*r-me a cabeça...)





porque este texto devia ser republicado todos os meses...

O Norte


Primeiro, as verdades.

O Norte é mais Português que Portugal.
As minhotas são as raparigas mais bonitas do País.
O Minho é a nossa província mais estragada e continua a ser a mais bela.
As festas da Nossa Senhora da Agonia são as maiores e mais impressionantes que já se viram.
Viana do Castelo é uma cidade clara. Não esconde nada. Não há uma Viana secreta. Não há outra Viana do lado de lá. Em Viana do Castelo está tudo à vista. A luz mostra tudo o que há para ver. É uma cidade verde-branca.
Verde-rio e verde-mar, mas branca. Em Agosto até o verde mais escuro, que se vê nas árvores antigas do Monte de Santa Luzia, parece tornar-se branco ao olhar. Até o granito das casas.
No Norte a comida é melhor.
O vinho é melhor.
O serviço é melhor.
Os preços são mais baixos.
Não é difícil entrar ao calhas numa taberna, comer muito bem e pagar uma ninharia.
Estas são as verdades do Norte de Portugal.
Mas há uma verdade maior.
É que só o Norte existe. O Sul não existe.
As partes mais bonitas de Portugal, o Alentejo, os Açores, a Madeira,
Lisboa, et caetera, existem sozinhas. O Sul é solto. Não se junta.
Não se diz que se é do Sul como se diz que se é do Norte.

No Norte dizem-se e orgulham-se de se dizer nortenhos. Quem é que se identifica como sulista?
No Norte, as pessoas falam mais no Norte do que todos os portugueses juntos falam de Portugal inteiro.

Os nortenhos não falam do Norte como se o Norte fosse um segundo país.
Não haja enganos.
Não falam do Norte para separá-lo de Portugal.
Falam do Norte apenas para separá-lo do resto de Portugal.
Para um nortenho, há o Norte e há o Resto. É a soma de um e de outro que constitui Portugal.

Mas o Norte é onde Portugal começa.
Depois do Norte, Portugal limita-se a continuar, a correr por ali abaixo.
Deus nos livre, mas se se perdesse o resto do país e só ficasse o Norte, Portugal continuaria a existir. Como país inteiro. Pátria mesmo, por muito pequenina. No Norte.
Em contrapartida, sem o Norte, Portugal seria uma mera região da Europa.
Mais ou menos peninsular, ou insular.
É esta a verdade.
Lisboa é bonita e estranha mas é apenas uma cidade. O Alentejo é especial mas ibérico, a Madeira é encantadora mas inglesa e os Açores são um caso à parte. Em qualquer caso, os lisboetas não falam nem no Centro nem no Sul - falam em Lisboa. Os alentejanos nem sequer falam do Algarve - falam do Alentejo. As ilhas falam em si mesmas e naquela entidade incompreensível a que chamam, qual hipermercado de mil misturadas, Continente.

No Norte, Portugal tira de si a sua ideia e ganha corpo. Está muito estragado, mas é um estragado português, semi-arrependido, como quem não quer a coisa.

O Norte cheira a dinheiro e a alecrim.

O asseio não é asséptico - cheira a cunhas, a conhecimentos e a arranjinho.
Tem esse defeito e essa verdade.

Em contrapartida, a conservação fantástica de (algum) Alentejo é impecável, porque os alentejanos são mais frios e conservadores (menos  portugueses) nessas coisas.

O Norte é feminino.

O Minho é uma menina. Tem a doçura agreste, a timidez insolente da mulher portuguesa. Como um brinco doirado que luz numa orelha pequenina, o Norte dá nas vistas sem se dar por isso.

As raparigas do Norte têm belezas perigosas, olhos verdes-impossíveis, daqueles em que os versos, desde o dia em que nascem, se põem a escrever-se sozinhos.

Têm o ar de quem pertence a si própria. Andam de mãos nas ancas. Olham de frente. Pensam em tudo e dizem tudo o que pensam. Confiam, mas não dão confiança. Olho para as raparigas do meu país e acho-as bonitas e honradas, graciosas sem estarem para brincadeiras, bonitas sem serem belas, erguidas pelo nariz, seguras pelo queixo, aprumadas, mas sem vaidade.

Acho-as verdadeiras. Acredito nelas. Gosto da vergonha delas, da maneira como coram quando se lhes fala e da maneira como podem puxar de um estalo ou de uma panela, quando se lhes falta ao respeito. Gosto das pequeninas, com o cabelo puxado atrás das orelhas, e das velhas, de carrapito perfeito, que têm os olhos endurecidos de quem passou a vida a cuidar dos outros. Gosto dos brincos, dos sapatos, das saias. Gosto das burguesas, vestidas à maneira, de braço enlaçado nos homens.

Fazem-me todas medo, na maneira calada como conduzem as cerimónias e os maridos, mas gosto delas.

São mulheres que possuem; são mulheres que pertencem.

As mulheres do Norte deveriam mandar neste país.

Têm o ar de que sabem o que estão a fazer. Em Viana, durante as festas, são as senhoras em toda a parte.
Numa procissão, numa barraca de feira, numa taberna, são elas que decidem silenciosamente.

Trabalham três vezes mais que os homens e não lhes dão importância especial.
Só descomposturas, e mimos, e carinhos.

O Norte é a nossa verdade.

Ao princípio irritava-me que todos os nortenhos tivessem tanto orgulho no Norte, porque me parecia que o orgulho era aleatório. Gostavam do Norte só porque eram do Norte. Assim também eu. Ansiava por encontrar um nortenho que preferisse Coimbra ou o Algarve, da maneira que eu, lisboeta, prefiro o Norte. Afinal, Portugal é um caso muito sério e compete
a cada português escolher, de cabeça fria e coração quente, os seus pedaços e pormenores.

 Depois percebi.

Os nortenhos, antes de nascer, já escolheram. Já nascem escolhidos. Não escolhem a terra onde nascem, seja Ponte de Lima ou Amarante, e apesar de as defenderem acerrimamente, põem acima dessas terras a terra maior que é o 'O Norte'.

Defendem o 'Norte' em Portugal como os Portugueses haviam de defender Portugal no mundo. Este sacrifício colectivo, em que cada um adia a sua
pertença particular - o nome da sua terrinha - para poder pertencer a uma terra maior, é comovente.

No Porto, dizem que as pessoas de Viana são melhores do que as do Porto. Em Viana, dizem que as festas de Viana não são tão autênticas como as de Ponte de Lima. Em Ponte de Lima dizem que a vila de Amarante ainda é mais bonita.

O Norte não tem nome próprio. Se o tem não o diz. Quem sabe se é mais Minho ou Trás-os-Montes, se é litoral ou interior, português ou galego?

Parece vago. Mas não é. Basta olhar para aquelas caras e para aquelas casas, para as árvores, para os muros, ouvir aquelas vozes, sentir aquelas mãos em cima de nós, com a terra a tremer de tanto tambor e o céu em  fogo, para adivinhar.

O nome do Norte é Portugal. Portugal, como nome de terra, como nome de nós  todos, é um nome do Norte. Não é só o nome do Porto. É a maneira  que têm de dizer 'Portugal' e 'Portugueses'. No Norte dizem-no a toda a hora, com a maior das naturalidades. Sem complexos e sem patrioteirismos. Como se fosse só um nome. Como 'Norte'. Como se fosse assim que chamassem uns pelos outros. Porque é que não é assim que nos chamamos todos?'



Miguel Esteves Cardoso

dizem que está senil ...





pois a mim, parece-me muito lúcido....


segunda-feira, 7 de outubro de 2013

...





Benjamin Button: I was thinking how nothing lasts, and what a                                 shame that is.


Daisy: Some things last.


domingo, 6 de outubro de 2013

Está complicado...


contas à moda do Porto...



O que há de exemplar na vitória de Rui Moreira no Porto é que um povo que vive a dizer que "eles são todos iguais" foi confrontado com a diferença e desafiado a fazer uma escolha - e escolheu, não desaproveitou a oportunidade. Tanto como a vitória de Rui Moreira, enfrentando condições extremas de desigualdade e até de deslealdade concorrencial, foi a dimensão e o significado da derrota de Luís Filipe Menezes que tornaram o desfecho do Porto um exemplo e uma lição para todos. Menezes, um dos barões da política e desse tantas vezes pernicioso PSD, atacou a campanha com a arrogância de quem se gabava de ter sete vitórias em outras tantas pugnas eleitorais e de quem dispôs de meios sem fim, do apoio dos suspeitos do costume e, acima de tudo, com o despudor de prometer a um eleitorado estrebuchando sob a avalancha de sacrifícios impostos pelo Governo do seu partido uma espécie de círculo eleitoral de excepção, onde, em caso de vitória sua, não faltariam nem dinheiro, nem obra, nem capacidade de endividamento. Perante os túneis e pontes, a baixa de impostos e rendas sociais, e os porcos assados e concertos de Quim Barreiros que Menezes prometia e oferecia, Rui Moreira respondeu com as pequenas soluções concretas que mexem com a vida concreta das pessoas e a economia da cidade. Não faltou quem, mal digerindo a derrota e a lição, tenha afirmado que foi a "grande burguesia da Foz" que ganhou a eleição do Porto - contra, presume-se, o "povo", que o PSD, sobretudo, mas também o PS, devem representar a Norte, tal como os comunistas representam a Sul. Mas quem assim fala não conhece bem o Porto nem percebeu bem o que lá aconteceu no domingo passado. Triunfou, sim, um antigo e digno espírito burguês, assente em virtudes velhas e em desuso, tais como o trabalho, a poupança, a seriedade nos negócios e nas contas, que ao longo dos tempos fez a prosperidade e o nome honrado do Porto.


Percebo bem que o baronato partidário, preso a uma lógica de aparelho e caciquismo e, apesar dos anos já decorridos, formado por aquilo a que podemos ainda chamar os novos-ricos da política, tenha dificuldades em entender algumas lições recebidas nestas eleições e mudar o que quer que seja. E, contudo, se o não fizerem, não é apenas a sua sobrevivência que está em causa, mas uma coisa bem mais importante: a própria sobrevivência do sistema representativo partidário, base da democracia tal como a conhecemos. Nada melhor do que a exemplar derrota do PSD para demonstrar isto. Escolhendo sobranceiramente candidatos que queria promover e não aqueles que o eleitorado queria ver, julgando que as escolhas do partido se imporiam por si, o PSD mostrou quão desfasado está da sua função primeira: representar os eleitores.»

[Miguel Sousa Tavares, in "Expresso", edição 5 de Outubro 2013]

(não costumo concordar com o que este senhor diz, a não ser quando fala sobre o FCP. Desta vez é só sobre o Porto, sem o futebol mas, concordo em todos os graus...)

a desvanecer...


..."sentia-me derreter nas sombras como se fosse o negativo de alguém que nunca conhecera em toda a minha vida."


Sylvia Plath, A Campânula de Vidro