sexta-feira, 19 de abril de 2013

And all I loved, I loved alone... *





Dizem que é preciso coragem para viver um amor. Eu não concordo. Esta é uma viagem que se faz a dois, de mãos dadas, amparado, protegido. O caminho pode ser tortuoso, podemos cair, magoar-nos mas eles estão lá, dois braços que nos ajudam a levantar, que nos abraçam, que nos resguardam, nos aquecem.
A solidão requer muita mais coragem. A solidão é coisa apenas para os mais bravos. O silêncio, o escuro, os ventos são fantasmas que se digladiam num assustador singular. E, desengane-se quem pensa que a solidão é uma condição involuntária. Amar-nos ao ponto de largar o que amamos porque nos faz mal, preferindo assim a dor da solidão, é o um acto de grande coragem. Abandonar uma solidão povoada para viver a sós a sua própria solitude revela firmeza titânica. Enfrentar noites escuras, lençóis frios, recordar cheiros, palavras, refrões, acordes. Sonhar com o que podia ter sido se... apesar de, no fundo, sabermos da impossibilidade desse se. Recordar momentos bons que, doem agora mais que os maus.  Porque os maus ajudam a odiar, a esquecer  porém, são os bons não nos permitem deixar de amar. A solidão não é má, não é estigma. A solidão é auto-conhecimento, é amor próprio, é  dor que cura. É o caminho para o encontro...
 
 
* Edgar Allen Poe
 
 

5 comentários:

Pulha Garcia disse...

"A solidão é auto-conhecimento, é amor próprio, é dor que cura." concordo com o que escreves e identifico-me nesta fase, mas a verdade é que todos nós somos animais sociais. Precisamos de mais alguém para nos realizarmos. Tudo o resto é tanga. (Connie knew it, we all know it)

brisa disse...

nesta fase que atravesso, podia ser minhas estas palavras...

bom fim de semana

MisS disse...

Pulha, não o nego mas, acredito que só quem não tem medo da solidão (quem sabe estar sozinho) consegue ser feliz com alguém. É uma aprendizagem.
(vejo que já chegaste à parte interessante da vida da Connie)

Brisa, é um trilho que todos, um dia, temos de percorrer...
Um excelente fim de semana

Dri disse...

!Amar-nos ao ponto de largar o que amamos porque nos faz mal, preferindo assim a dor da solidão, é o um acto de grande coragem."
é uma dor no coração quase insuportável...mas temos de nos colocar a nós em primeiro lugar.

Mona disse...

"Amar-nos ao ponto de largar o que amamos porque nos faz mal, preferindo assim a dor da solidão, é o um acto de grande coragem."

É isso... "o terminei tudo com ele!" escolho-me a mim... escolho partir.