sexta-feira, 22 de março de 2013

Caro Vítor Pereira...




Agora que consegui digerir os últimos resultados e, a uma distância que me permite uma reflexão mais organizada que um chorrilho de palavrões, gostava de te deixar umas palavras. Vítor, apesar do meu fraco pelo teu nome, nunca tu arrebataste a minha admiração. Respeito-te por teres assumido o leme a poucos dias do inicio da época e depois do ruivinho ter trocado a cadeira de sonho pelo sonho dos milhões. Caiu-te a equipa no colo, um pouco como ao Passos Coelho. Em situações normais e, com o vosso currículo, nem tu chegarias a treinador do FCP nem o Coelho a primeiro ministro. Apesar de todos estranharem a escolha, tiveste o nosso apoio. Fizeste uma época aceitável, cumpriste os mínimos. Fomos campeões. Na noite da consagração acenaste aos adeptos da varanda do Dragão, os mesmos adeptos que duvidaram das tuas capacidades. Aplaudiram-te, deram-te palmadinhas nas costas e parabenizaram-te. Sentiste-te um Deus!  Confesso que desejei que aquela noite, fosse também a noite da tua despedida. Seria um adeus preenchido. Tu sairias com o título de treinador campeão nacional que, de outra forma, nunca conseguirias, e a equipa continuaria a cumprir o seu destino agora com um treinador mais capaz, mais audaz, mais à Porto. Mas, caíste nas graças do velhote. Foste um capricho como a Carolina, a Fernanda e tantas outras que passaram pelo estaminé do tio Reinaldo e, de quem nunca se chegou a saber sequer o nome. Ganhaste galões. Exibias a faixa de campeão com uma arrogância que não te é natural. Mostravas nas conferências de imprensa um Victor que não coincide com a tua imagem. Fizeste três ou quatro jogos muito bons. Incutiste a esperança aos adeptos. A máquina estava quase oleada e dava ares de ser mortífera. Ganhaste a admiração mesmo dos mais cépticos que começavam finalmente a ver ali um treinador. Eu não me rendi. Infelizmente estava certa (às vezes detesto mesmo ter razão). No primeiro contratempo estatelaste-te no chão e deste de caras com a realidade: não és tu que és um bom treinador é a equipa que é boa. E quando a equipa sofre uma baixa de peso tu não sabes dar a volta à situação porque simplesmente não tens capacidade para isso. Ser treinador do FCP, em condições normais, não é complicado. Há uma estrutura montada que trabalha de forma irrepreensível  Temos dos melhores departamentos médicos do mundo, temos bons preparadores físicos, temos excelentes olheiros, temos até um conjunto de históricos do clube que trabalham perto dos jogadores e lhes incutem a religião FCP. O treinador só tem mesmo de pegar nos melhores 11 e colocá-los em campo. E, mesmo que não saiba quem são os 11 melhores é fácil, basta abrir os jornais e ver quem são os jogadores que os grandes clubes da Europa têm debaixo de olho. Simple as nutella! Mas não, tu quiseste dar uma de treinador, em mestre da táctica como uns e outros cavalos brancos que citam Pascal. Insistes no Varela, obrigando-nos a, semana após semana, insultar a mãe do rapaz (desde já apresento as minhas desculpas à senhora pelos impropérios que já lhe chamei) e levando-nos a desejar que ele parta um metatarso só para dar lugar a quem sabe de verdade.  Pões no banco jogadores que teriam lugar em algumas das maiores equipas mundiais enquanto assistimos, em campo a um motor que arranca mas não desenvolve. Justificas-te com a maior posse de bola mas, isso não dá pontos nem nos apaga a sede de vencer ou a azia de ver os mouros à nossa frente. Foi preciso sermos eliminados por um Málaga e estarmos a 4 pontos dos lampiões para todos constatarem o óbvio: não és um treinador à Porto. Já tens o visto de saída carimbado, resta-te acabar esta época com alguma dignidade ( e não falo daquele troféu menor que é a taça da liga). Ainda não atiramos a toalha ao chão, porque não é essa a nossa forma de ser. Já vencemos tempestades bem piores. Não dependemos de nós para chegar ao primeiro lugar, o nosso lugar mas, depende de nós lutar com garras e bafo de fogo até ao fim. São sete jornadas com jogos perfeitamente alcançáveis se não inventares e te resumires a seguir o guião (especialmente no da jornada 29...). 
Assim o espero...


6 comentários:

faa m. disse...

Tanto amor pelo homem. Eu cá gosto dele, gosto bastante de o ver no banco e a fazer decisões de mestre. Tenho pena de o ver partir no fim da época.. :(

MisS disse...

faa, palpita-me que não és portista...

faa m. disse...

eheh, foi uma boa constatação a tua. nos os adversários gostamos dele :)

RCA disse...

Há qualquer coisa de especial em ver uma mulher a escrever sobre futebol... e eu sei bem do que falo, porque cá em casa quem percebe de bola é ela :)

Quanto ao Vítor Pereira, $%&$%#/#"$%#"%

MisS disse...

RCA, eu sou fã da tua outra metade ;)

Marta disse...

Sou mulher e também adoro futebol. Já do VP? Concordo com o RCA.
Marta